Comerciários debatem desafios dos trabalhadores em evento da CTB

Cerca de 261 delegados e delegadas encerraram, nesta sexta-feira (15), o 4º Conselho Estadual da CTB Bahia reafirmando a força da Central no estado. Durante dois dias, os dirigentes sindicais de diversas categorias, urbanas e rurais, debateram temas como reindustrialização, desafios do sindicalismo, negociações coletivas e organização sindical. O vice-governador Geraldo Júnior (MDB), que representou o governador Jerônimo Rodrigues (PT), e o secretário do Trabalho, Davidson Magalhães, foram algumas das autoridades que prestigiaram o evento.

A plenária final aprovou moções e sugestões ao documento base, além de eleger a delegação baiana para participar do 4º Conselho Nacional da CTB, em novembro de 2023, na cidade de Belém do Pará. “Quero agradecer a Ailton Araújo, o coordenador desse Conselho, nossas assessoras Jurema e Rayana pela força no apoio e, em nome delas, agradecer a todos que nos ajudaram construir esse evento. A participação expressiva dos dirigentes e os debates mostram a força da Central no estado e sua importância na formulação das políticas da CTB Nacional”, disse a presidenta Rosa de Souza, que é comerciária e presidenta do SintraSuper (Sindicato dos Trabalhadores de Supermercados).

Dirigentes do Sindicato dos Comerciários e do SintraSuper participaram do evento como delegados e contribuíram com os debates. “Esse Conselho da CTB tem papel fundamental para dirigentes de várias categorias socializarem informações e sugerirem ações que fortaleçam as entidades e as lutas que desenvolvem. Ficou claro que só a mobilização da sociedade e da classe trabalhadora ajudará Lula na reconstrução do Brasil”, afirmou Renato Ezequiel, presidente do sindicato.

Os dirigentes Reginaldo Oliveira e Roberto Nonato também falaram na plenária. “É importante os governos Lula e Jerônimo investirem na indústria têxtil nacional para competir bem com os produtos chineses. É um setor que gera milhares de empregos e pode ajudar o comércio”, disse Oliveira. “Nessa questão da reindustrialização, nós do Recôncavo, entendemos que é fundamental retomar o estaleiro naval de São Roque do Paraguaçu, que ajudou a desenvolver outros setores, como de hotelaria, bares, restaurantes, peças e comércio, entre outros”, enfatizou Nonato.

DESAFIOS E ORGANIZAÇÃO

Tratando dos desafios da atualidade, o presidente nacional da CTB Adilson Araújo enfatizou a importância do movimento sindical entender o cenário positivo e atuar para fazer o governo Lula reverter a precarização do trabalho. “Temos que mobilizar as categorias para exigir mais direitos e reforçar as lutas políticas lideradas pelas centrais e os movimentos sociais. Não há contradição entre apoiar o projeto conduzido por Lula, em uma frente ampla, e desenvolver lutas por mudanças”, afirmou.

Segundo o dirigente, o movimento sindical sempre jogou papel para transformar realidades difíceis e precisa aprimorar sua organização para esse cenário promissor, mas de grande complexidade. “Temos um governo do campo da esquerda, mas um Congresso mais conservador. Só com a mobilização da sociedade e da classe trabalhadora, vamos reverter a correlação de forças”, enfatizou.

Na abordagem sobre organização sindical dos classistas, o secretário geral Ronaldo Leite lembrou que o sindicalismo vive uma realidade de 9%, em média, de sindicalizados nas categorias. “Claro que a reforma trabalhista contribuiu, pois ampliou a informalidade e a precarização do trabalho e dos direitos. Por isso, a CTB está atuando no Grupo de Trabalho (GT) criado pelo governo Lula para rever pontos da reforma, fortalecendo os sindicatos com a contribuição negocial e a negociação coletiva. Precisamos evoluir no GT para consenso com as entidades patronais, pois se for para esse Congresso conservador, não passa nada”, ponderou.

NEGOCIAÇÕES  

A coordenadora técnica do Dieese, Ana Georgina, apresentou dados que mostram que o cenário das negociações salariais melhorou muito com o governo Lula. “Entre as causas estão as políticas que fizeram a inflação cair e garantir reajustes com ganho real, o mercado de trabalho que melhorou e a valorização do salário mínimo, que impacta positivamente as negociações. Com a projeção de mais um ano com crescimento do PIB, as negociações em 2024 prometem ser ainda mais positivas”, destacou.

com informações da CTB Bahia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =