Carnaval deve injetar R$ 1,8 bi na economia de Salvador

A Confederação Nacional do Comércio (CNC) projeta uma movimentação financeira de R$ 8,18 bilhões, um pouco abaixo dos R$ 8,47 bi arrecadados em 2020 (-3,3%), mas 26,9% acima do total faturado no ano passado. A maioria esmagadora da receita proporcionada pelo grande evento, considerado o ‘Natal do turismo brasileiro’, vai vir dos setores mais procurados pelos foliões: alimentação (R$ 3,63 bi) e transporte de passageiros (R$ 2,35 bi). Já a hospedagem deve responder por R$ 890 milhões, enquanto os equipamentos de lazer e cultura tem projeção de R$ 780 milhões. Ainda segundo o levantamento da CNC, o evento deve gerar quase 25 mil vagas temporárias.

Em Salvador, que tem no turismo uma de suas principais vocações, as projeções para o Carnaval 2023 também são bastante animadoras: a Secretaria de Cultura e Turismo (Secult) espera ver durante o período da festa de rua 800 mil turistas na capital baiana, e arrecadação estimada em R$ 1,8 bilhões nos segmentos direta ou indiretamente associados.

A Associação Brasileira de Hoteis na Bahia (ABIH-BA) estimou que o Carnaval 2022 deve trazer um desempenho excelente para a ocupação da rede, podendo chegar ao nível máximo durante o período. Vale frisar que o setor hoteleiro vem experimentando uma recuperação progressiva desde o ano passado, tendo o aumento no preço das passagens como principal entrave.

Luciano Lopes, presidente da entidade, está embalado pela movimentação que a cidade vem registrando nas últimas festividades, como o Festival Virada Salvador, que viu os hoteis no entorno da festa lotarem após três anos. “Para o Carnaval, as expectativas são boas. A gente espera uma média de ocupação em torno de 95%, chegando a pico de 100% na média de ocupação em alguns dias da festa” .

Inflação

As projeções para a retomada só não são ainda mais animadoras por causa da grande vilã do consumo: a inflação, que vem pesando significativamente no poder de compra e dificultando o cenário de obtenção de crédito. De acordo com o Índice Geral de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), os itens essenciais para quem vem de fora ficaram mais caros: as passagens aéreas subiram 23,53% em 2022, juntamente com as hospedagens (+18,21% ) e os pacotes turísticos (+17,16%). Com isso, quem quer se divertir durante a farra de Momo vai precisar se organizar direitinho, mas nada que impeça a corrida atrás do trio.

“Os reajustes de preços de praticamente todos os segmentos, o aumento significativo da taxa de juros e o alto comprometimento da renda com dívidas fazem com que os gastos com lazer sejam comedidos, mas ainda assim consideravelmente maiores do que em 2021”, pontuou José Roberto Tadros, presidente da CNC.

Fonte: Tribuna da Bahia

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 7 =