Práticas desleais no comércio eletrônico estão no radar, diz Geraldo Alckmin

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços Geraldo Alckmin diz que o governo está atento a práticas desleais no comércio eletrônico e defende a atuação do Estado para garantir a lealdade concorrencial. Ele fez a palestra de abertura do segundo dia do Sicomércio, evento realizado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens Serviços e Turismo (CNC) que reúne mais de 1.300 representantes de sindicatos e federações de todo o País.

“Quem ganha com isso é o consumidor”, afirmou. Dirigindo-se ao presidente da CNC, José Roberto Tadros, Alckmin garantiu que receberá as demandas dos empresários do setor terciário para resolver o problema. “Uma das razões de o Estado (existir) é garantir a lealdade concorrencial, que a disputa na economia de mercado se faça de maneira leal”, reforçou.

Agenda de competitividade

O vice-presidente apresentou pontos que devem compor o contexto necessário para retomar uma agenda de competitividade, citando três fatores fundamentais: juros, imposto e câmbio. “O câmbio está bom. A carga tributária brasileira é elevada para o nível de desenvolvimento brasileiro, mas o que se pode fazer neste momento é simplificar. Aí vem o objetivo da reforma tributária: a simplificação diminui o Custo Brasil, diminui judicialização, traz mais segurança jurídica e desonera completamente o investimento e a exportação”, pontuou.

Alckmin destacou a importância do comércio exterior e defendeu a simplificação do sistema tributário como forma de desonerar completamente a exportação. “O comércio exterior é cada vez mais relevante no mundo”, avaliou. Também ressaltou que é preciso reconquistar os países da América Latina para fortalecer o comércio intrarregional – que hoje é de 26%, o menor índice na comparação com América do Norte (50%), União Europeia (60%) e Ásia (70%).

“É onde vendemos mais produtos de valor agregado, como caminhões, ônibus e automóveis”, exemplificou. Alckmin ponderou a necessidade de integrar diferentes modais tanto para o comércio exterior quanto para a distribuição interna. “Como se tira a soja de Mato Grosso e se escoa para o norte e para o mundo? Precisa integrar modais: ferrovias, hidrovias e rodovias.”

Fonte: Mercado & Consumo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − treze =