Por que um dólar mais forte é perigoso para o mundo

Por que um dólar mais forte é perigoso para o mundo
As altas taxas de juros americanas e um dólar forte geram inflação importada, que agora está sendo exacerbada pelos preços relativamente altos do petróleo.

Com Informações do Tribuna da Bahia

O dólar está numa fase exuberante. Como o crescimento americano se manteve forte e os investidores reduziram as apostas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) cortará as taxas de juros, o dinheiro inundou os mercados do país – e o dólar disparou. Subiu 4% este ano, medido em relação a uma cesta de moedas; e os fundamentos apontam para uma valorização ainda maior. Com uma eleição presidencial se aproximando e tanto os democratas quanto os republicanos determinados a promover a indústria americana, o mundo está à beira de um novo período de geopolítica de dólar forte.

Essa situação se torna ainda mais difícil pelo fato de que a força da moeda reflete a fraqueza em outros lugares. No final de 2023, a economia dos Estados Unidos era 8% maior do que no final de 2019. As economias da Grã-Bretanha, França, Alemanha e Japão cresceram menos de 2% cada uma durante o mesmo período. O iene está em uma baixa de 34 anos em relação ao dólar. O euro caiu de US$ 1,10 no início do ano para US$ 1,07. Alguns traders agora estão apostando que a paridade entre euro e dólar será atingida no início do próximo ano.

Se Donald Trump vencer as eleições em novembro, o cenário estará pronto para uma briga. Um dólar forte tende a aumentar o preço das exportações americanas e diminuir o preço das importações, ampliando o persistente déficit comercial do país – um problema para Trump há muitas décadas.

Robert Lighthizer, o arquiteto das tarifas contra a China durante o período de Trump na Casa Branca, quer enfraquecer o dólar, de acordo com o site de notícias Politico. O presidente Joe Biden não fez nenhum pronunciamento público sobre a moeda, mas um dólar forte também complica sua agenda para a indústria.

Em outros lugares, um dólar forte é bom para os exportadores que têm custos denominados em outras moedas. Porém, as altas taxas de juros americanas e um dólar forte geram inflação importada, que agora está sendo exacerbada pelos preços relativamente altos do petróleo. Além disso, as empresas que tomaram empréstimos em dólares enfrentam pagamentos mais altos. Em 18 de abril, Kristalina Georgieva, diretora do FMI, alertou sobre o impacto desses acontecimentos na estabilidade financeira global.

Muitos países têm amplas reservas cambiais que podem ser vendidas para fortalecer suas moedas: O Japão tem US$ 1,3 trilhão, a Índia, US$ 643 bilhões e a Coreia do Sul, US$ 419 bilhões. No entanto, qualquer alívio seria temporário. Embora as vendas tenham desacelerado o fortalecimento do dólar em 2022, quando o Fed começou a aumentar as taxas de juros, elas não o impediram. Os bancos centrais e os ministérios das finanças não estão dispostos a desperdiçar seus ativos em lutas infrutíferas.

Outra opção é a coordenação internacional para interromper a escalada do dólar. Os primórdios disso foram mostrados em 16 de abril, quando os ministros das finanças dos Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul emitiram uma declaração conjunta expressando preocupação com a queda do iene e do won. Esse pode ser o precursor de mais intervenções, na forma de vendas conjuntas de reservas cambiais, para evitar que as duas moedas asiáticas se enfraqueçam ainda mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − catorze =