1 em 7 pessoas da Geração Z tem cartão de crédito estourado

1 em 7 pessoas da Geração Z tem cartão de crédito estourado
Taxas de inadimplência têm aumentado constantemente desde que atingiram mínimos históricos durante a pandemia de Covid-19

Com informações do Tribuna da Bahia

Ariel Barnes se afundou em uma espiral de dívida de cartão de crédito na universidade e uma década depois ainda não conseguiu escapar.

Barnes, uma gerente de processamento de presentes na Universidade Jackson State, estourou sete cartões de crédito e está lutando para fazer pagamentos mínimos da dívida de US$ 30 mil (cerca de R$ 153 mil).

“Os juros são tão altos que é difícil de escapar”, disse à CNN Barnes, que tem 28 anos e vive em Jackson, Mississippi.

Barnes não está sozinha.

Cerca de 1 em 7 (15,3%) donos de cartão de crédito da Geração Z estourou seus créditos, de acordo com uma nova pesquisa do Federal Reserve de Nova Iorque. (A pesquisa definiu a Geração Z como nascidos entre 1995 e 2022, apesar de outras marcarem o corte inicial a partir de 1996 ou 1997).

Em comparação, somente 4,8% dos Baby Boomers e 9,6% da Geração X estouraram seus cartões de crédito, o que pode ser um sinal de um problema de fluxo de caixa muito apertado.

As descobertas ressaltam condições duramente diferentes mascaradas por estatísticas econômicas nacionais.

Barnes culpa suas ruins decisões financeiras quando estava na faculdade por sua situação atual, a qual a forçou a viver em casa e atrasar grandes eventos da vida.

“Eu quero ter filhos. O relógio está andando. Mas eu não posso me dar o luxo de ter filhos”, ela disse. “Eu tive que ir na terapia porque é muito desgastante mentalmente”.

Cada vez mais norte-americanos de todas as idades não estão conseguindo pagar suas contas — especialmente as de cartão de crédito.

O Fed de Nova York descobriu que para toda a dívida, excluindo empréstimos estudantis, as taxas de inadimplência têm aumentado constantemente desde que atingiram mínimos históricos durante a pandemia de Covid-19.

A inadimplência no cartão de crédito ultrapassou os níveis pré-pandemia e continua aumentando. A inadimplência grave — atrasos de 90 dias — agora subiu para 10,7%, o maior desde 2012.

As conclusões mostram como continuam a surgir bolsas de stress financeiro na economia dos EUA após três anos de inflação elevada.

“É preocupante que tantos membros da Geração Z estejam ficando para trás”, disse Ted Rossman, analista sênior da indústria no Bankrate.com.

“Estamos vendo mais pessoas financiando itens essenciais diários, como mantimentos e gasolina, e este pode ser um ciclo difícil de quebrar.”

“Motivo de preocupação”

Mesmo com as ações em Wall Street atingindo máximos históricos e o desemprego permanecendo baixo de forma incomum, milhões de americanos enfrentam dificuldades com o custo de vida.

“O aumento da inadimplência severa é motivo de preocupação”, afirmou Gregory Daco, economista-chefe da EY.

O Fed de Nova York descobriu que há uma ligação direta entre estourar o limite dos cartões de crédito e atrasar os pagamentos.

Muito poucos americanos que usaram 20% ou menos do limite do cartão de crédito atrasaram suas contas, de acordo com a pesquisa.

No entanto, a taxa de transição para a inadimplência para aqueles que usaram mais de 60% do limite do cartão de crédito já ultrapassou os níveis pré-Covid e continua aumentando, o Fed de Nova York disse.

Os pesquisadores disseram que essa tendência é “especialmente notável” para aqueles que atingiram o limite máximo de seus cartões, definido como o uso de 90% a 100% de seu limite.

Um terço dos tomadores de empréstimo que atingiram o limite máximo ficaram inadimplentes no ano passado, em comparação com menos de um quarto antes da pandemia, disse o Fed de Nova York.

“Embora a maioria dos comentadores discuta uma aterrissagem suave para a economia ou para o consumidor”, disse Daco, “as evidências mais recentes sobre as condições de crédito apontam para múltiplas economias, múltiplos consumidores, afetados em diferentes graus pelo ambiente de custos mais elevados e de taxas de juros mais altas”.

Limitar o limite dos cartões de crédito pode prejudicar a pontuação de crédito dos mutuários. De acordo com o cálculo do FICO Score, a relação entre saldo e limite de crédito é a segunda categoria mais importante para determinar a pontuação de crédito.

“A FICO monitorará de perto essa tendência nos próximos trimestres para entender melhor se isso é simplesmente uma reversão aos comportamentos pré-pandêmicos do consumidor”, disse Tommy Lee, diretor sênior da FICO, à CNN por e-mail.

O Fed de Nova York explicou que parte do motivo pelo qual os mutuários da Geração Z estão no limite máximo é porque eles têm limites de crédito muito mais baixos. Muitos norte-americanos mais jovens não tiveram tempo para construir históricos e pontuações de crédito que lhes permitissem pedir mais empréstimos.

Por exemplo, o limite de crédito médio do tomador da Geração Z é de apenas US$ 4,5 mil (R$ 23 mil), em comparação com US$ 16,3 mil (R$ 83 mil) para a geração Millennials e US$ 21,8 mil (R$ 112 mil) para a Geração X, disse o Fed de Nova York.

O Fed de Nova York se recusou a compartilhar dados históricos sobre cartões de crédito esgotados por geração.

Durante uma teleconferência com repórteres, os pesquisadores explicaram que é um “padrão típico de idade”, em que os mutuários mais jovens esgotam mais o limite do cartão de crédito.

Lee, executivo da FICO, disse que a história mostra que à medida que os consumidores envelhecem e sua experiência de crédito aumenta, seus limites de crédito também aumentam.

Os americanos em áreas de baixa renda são mais prováveis de estourar o limite

Claro, não são apenas os usuários mais jovens que estouram o limite de seus cartões de crédito.

O Fed de Nova York descobriu que os mutuários que vivem em áreas de baixa renda também têm maior probabilidade de atingir o limite máximo.

Cerca de 12% dos mutuários que vivem em bairros com os 25% de renda mais baixa atingiram o limite máximo dos seus cartões, concluiu o relatório.

Isso é mais do que o dobro dos 5,5% dos tomadores de empréstimos que vivem nos bairros de renda mais alta e que estão no limite máximo.

Nunca é um bom momento para ter saldo no cartão de crédito, mas sem dúvida agora é o pior. A taxa média de juros do cartão de crédito é de 20,66%, segundo o Bankrate.

Isso está um pouco abaixo do recorde de 20,75% estabelecido no mês passado.

Daco disse que autoridades do Federal Reserve devem considerar o estresse com o cartão de crédito que alguns norte-americanos estão sentindo ao decidir quando reduzir as taxas de juros.

O Fed enfrenta um equilíbrio delicado.

Cortar as taxas prematuramente poderia piorar a inflação. Mas esperar tempo demais poderá aumentar mais ainda a pressão sobre os mutuários, especialmente se o mercado de trabalho esfriar e mais pessoas tiverem dificuldades em encontrar trabalho.

“O risco de um aperto excessivo pode levar a consequências não intencionais que prejudicam ainda mais as finanças domésticas”, disse Daco.

Maneiras de sair das dívidas

Especialistas dizem que existem possíveis soluções para pessoas que se sentem presas a dívidas de cartão de crédito.

Rossman, analista do Bankrate, disse que as opções incluem:

Transferência de dívidas de cartão de crédito com juros altos para cartões de transferência de saldo que oferecem juros de 0% por até 21 meses
Procurar aconselhamento de crédito para organizações sem fins lucrativos
Procurando maneiras de aumentar receitas e cortar despesas
“Eu sei que é mais fácil falar do que fazer”, disse Rossman, “mas é muito importante tornar o pagamento da dívida do cartão de crédito uma prioridade”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 4 =